Vídeo Gastroscópio Fujinon EG-270N5 - Endoscópios Fujinon

Vídeo Gastroscópio Fujinon EG-270N5 ao melhor preço do dia

Endoscópio Fujinon EG-270N5

Economize tempo e dinheiro.

Peça sua cotação de Vídeo Gastroscópio Fujinon EG-270N5 ou qualquer outro endoscópio ou processadora e nosso sistema localiza o fornecedor com melhor preço.

Solicite agora, por Whatsapp ou formulário.

Retorno em até 48 horas!

Todas as categorias

Especificações do endoscópio Fujinon EG-270N5

Preço endoscópio Fujinon EG-270N5Diâmetro do canal

2,0 mm

Diâmetro do tubo de inserção

5,9 mm

Comprimento útil de trabalho

110 cm

Campo de visão

120 graus

Angulação para cima

210 graus

Angulação para baixo

90 graus

Angulação para direita

100 graus

Angulação para esquerda

100 graus

Endoscópios clínicos: para que servem

Os endoscópios clínicos servem para diagnóstico da mucosa de todo o trato gastrointestinal dos seres humanos e também em animais, daí o termo e endoscópio veterinário , que, de fato, é o mesmo aparelho de endoscopia usado em pessoas. É com este equipamento que os médicos especialistas diagnosticam e fazem tratamento terapêutico das doenças gastrointestinais.  

Endoscópio Flexível

Os endoscópios flexíveis são divididos em

Fibroscópio:

São os primeiros equipamentos de endoscopia alta e endoscopia baixa que foram lançados no mundo. São endoscópios flexíveis com visualização direta do médico através de sua lente, ou então interação com micro câmeras.

Videoscópio:

Trata-se da evolução da endoscopia flexível. São endoscópios com placas eletrônicas e câmera integrada que devem ser utilizados junto com vídeo processadoras que através de tratamento de luz, controle de contraste, conseguem trazer uma maior profundidade de campo e resolução nos procedimentos de endoscopia alta e endoscopia baixa – colonoscopia.

Magnificação:

Com a evolução da tecnologia, hoje já é possível ganhar um aumento da imagem de até 100 vezes o tamanho normal, com a magnificação ótica, (ou zoom ótico) nos endoscópios e colonoscópios eletrônicos

Estrutura dos Endoscópios Flexíveis

Os endoscópios flexíveis tem uma estrutura mecânica bastante fina e eletrônica através de captação de imagem via CCD (uma minúscula câmera na ponta) de altíssima definição para correta avaliação da mucosa em procedimentos de endoscopia alta e endoscopia baixa (colonoscopia). Basicamente a estrutura do endoscópio flexível contém:

 

  • Tubo de inserção

    • É o tubo que é inserido no paciente, seja através da boca (na endoscopia alta) ou através do ânus (na endoscopia baixa, também conhecida como colonoscopia).

  • Tubo conector

    • É o tubo que se liga ao corpo do endoscópio flexível, sustentando suas principais estruturas de fibras e cabeamentos, levando e distribuindo luz e informações ao longo do equipamento.

  • Canal de biopsia

    • Esse canal é usado para realizar punções através de uso de pinça de biopsia durante o exame de endoscopia alta e/ou endoscopia baixa – colonoscopia.

  • Canal de água e ar

    • Utilizado para irrigações do endoscópio flexível, limpeza da lente frontal, jato de água e ar durante procedimentos de endoscopia para limpar a mucosa e obter uma melhor visualização.

  • Manopla

    • Utilizada em quatro posições para movimento da ponta do endoscópio: up (movimento acima), down (movimento abaixo), right (movimento para a direita) e left (movimento para a esquerda).

  • Ponta flexível

    • Movimentada através da manopla para que o médico possa visualizar o desejado em procedimentos de endoscopia alta e endoscopia baixa. Fica totalmente inserida no paciente nos segmentos gastro e colono.

 

Principais modelos de endoscópios rígidos:

Os endoscópios rígidos, também conhecidos como óticas, não tem nomenclaturas definidas iguais  às dos endoscópios flexíveis. Diferentemente dos endoscópios flexíveis, as óticas são classificadas por curvatura de graus. Exemplo:

  • Laparoscópio de 0° (zero grau)

  • Laparoscópio de 10° (dez graus)

  • Laparoscópio de 30° (trinta graus)

Os endoscópios rígidos listados acima são os mais usados em procedimentos cirúrgicos, denominados procedimentos de vídeocirurgia e/ou videolaparoscopia. 

Outros vídeoendoscópios fabricante Pentax:

  • Vídeo processadora Pentax EPK-1000

  • Vídeo gastroscópio Pentax EG-2970K

  • Vídeo colonoscópio Pentax EC-3872LK / EC-3870LK

  • Vídeo gastroscópio Pentax EG-2931K / EG-2930K

  • Vídeo colonoscópio Pentax EC-3830LK / EC-3831LK

  • Vídeo processadora Pentax EPK-700  

Comparativo de Sistemas de Endoscopia Flexível

Os sistemas de endoscopia flexível, sejam para endoscopia alta, endoscopia baixa (colonoscopia) e/ou duodenoscopia são basicamente iguais entre si, falando-se das marcas e modelos correntes, tendo em vista que a única diferença é apenas financeira e de gosto pelo médico.

Exemplo:

O sistema de endoscopia Pentax com vídeo processadora EPK-1000 + vídeo gastroscópio EG-2970K + vídeocolonoscópio EC-3872LK tem o mesmo desempenho em termos de exames (endoscopia alta e endoscopia baixa “colonoscopia”) que o sistema de endoscopia Olympus composto por vídeo processadora CV-160, fonte de luz CLV-160, vídeo gastroscópio GIF-Q160 e vídeo colonoscópio CF-Q160L. Também é verídico dizer que o sistema de endoscopia Fujinon composto por vídeo processadora EPX-2200, vídeo gastroscópio EG-250WR5 e vídeo colonoscópio EC-250HL5 se equivale aos outros dois sistemas descritos acima, sendo esses três, basicamente os líderes de mercado e de uso nas clínicas de endoscopia alta e endoscopia baixa.

Sete dicas para melhor comprar o endoscópio usado Fujinon EG-250WR5

1 – Escolha 3 empresas para compra de endoscópio e peça cotações. Aqui, nós as localizamos para você;

2 –Verifique se a empresa fornecedora consegue oferecer uma ampla gama de serviços, consultoria na melhor escolha do equipamento, detalhes técnicos, etc.

3 – Verifique se seu fornecedor oferece serviços pós-venda, garantia, etc.

4 – Verifique se seu fornecedor oferece serviços de manutenção preventiva, manutenção corretiva para os endoscópios

5 – Verifique se seu parceiro pode oferecer equipamentos de endoscopia das fabricantes de sistemas de endoscopia reconhecidas no mercado

6 – Analise o preço, pesquise no mercado

7 – Faça sua aquisição

Desinfecção de endoscópios rígidos

Após a Resolução RDC 08 da ANVISA, de 27 de fevereiro de 2009, todos os métodos de esterilização por imersão estão proibidos para artefatos médicos invasivos. Assim, diversas demandas surgiram em função da necessidade de substituição de endoscópios não-autoclaváveis e de aquisição de equipamentos de esterilização. Listam-se a seguir algumas das orientações mais solicitadas por médicos:

Um endoscópio rígido autoclavável com histórico de esterilização por imersão em glutaraldeído pode passar à esterilização em autoclave?
   
Sim. Porém, que esse endoscópio anteriormente esterilizado por glutaraldeído receba uma manutenção preventiva antes de passar à esterilização por autoclave, para que se proceda a uma inspeção quanto a possíveis infiltrações na fixação distal das fibras ópticas, à volta da janela em safira que protege a lente objetiva; essa inspeção inclui o serviço de polimento da extremidade distal. È contraindicado a alternância entre processos: autoclave, depois glutaraldeído e novamente autoclave, porque a autoclave potencializaria os efeitos corrosivos de eventuais resíduos de glutaraldeído presentes no endoscópio durante a autoclavagem. Desaconselha-se, veementemente, a esterilização por imersão em ácido peracético e peróxido de hidrogênio, por serem agressivos para todas as superfícies expostas do endoscópio,  lembrando sempre que todos os métodos de esterilização por imersão estão proibidos para a esterilização de artigos médicos invasivos.

Por que um endoscópio rígido autoclavável é diferente de um endoscópio não-autoclavável?
   
O projeto de um endoscópio autoclavável deve levar em conta a dilatação a ser sofrida pelos diversos componentes de um endoscópio quando submetidos ao calor da autoclave; essa dilatação ocorre segundo coeficientes diferentes para cada tipo de material (aço, fibras ópticas, lentes, resinas, adesivos). Considerando-se os requisitos estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde, que têm em vista a esterilização contra o agente causador da doença de Creutzfeld-Jakob-Krankheit (a ”Síndrome da Vaca Louca”), exige-se, para a esterilização de endoscópios, um período mínimo de esterilização de 18 a 20 minutos à temperatura contínua de 134º centígrados. Para suportar a exposição frequente a estas condições de esterilização, um endoscópio requer construção e componentes de qualidade. Caso contrário, será suscetível a infiltrações e também à perda da integridade física – e consequente perda da tramitância luminosa – das fibras ópticas de iluminação.


Qual método de esterilização é mais indicado para a aumentar a durabilidade de um endoscópio?
   
Recomenda-se a esterilização por plasma a baixa temperatura ou a esterilização a gás, por óxido de etileno. Estes métodos evitam altas temperaturas sendo, portanto menos agressivos para todo o sistema óptico, incluindo-se as lentes e as fibras ópticas.

Um endoscópio não autoclavável pode ser transformado em autoclavável?
    
Não. As condições de expansão física dos componentes quando submetidos ao aquecimento (em coeficientes diversos de dilatação, conforme o material: lentes, janelas de safira, metal, resinas, adesivos) determinam características construtivas e constitutivas que não podem ser adaptadas. Caso submetido à autoclave, não importando o processo de adaptação empregado, o endoscópio adaptado sofrerá infiltrações, fragmentação e/ou descolamento das lentes e rompimento das fibras ópticas.

Porque as soldas a laser são importantes na esterilização?
    
As soldas a laser, interna e externa, fixam e isolam hermeticamente os tubos que contêm as fibras de iluminação e as lentes. Por sua resistência à torção e à oxidação, são fundamentais para a manutenção da integridade física do endoscópio e, com isso, para a segurança cirúrgica e a durabilidade. Sem estas soldas, que em alguns procedimentos de manutenção têm sido substituídas por cola, o endoscópio terá pouca resistência ao manuseio, tornando-se suscetível a fissuras na superfície da cola utilizada e, em consequência, ao acúmulo e incrustação de resíduos. Estas incrustações são impossíveis de remover pelos métodos de assepsia física e química que precedem a esterilização, tornando o processo de esterilização potencialmente inefetivo e, portanto, não seguro para a aplicação cirúrgica. Além disso, sob as condições de temperatura e pressão da autoclave, estas fissuras expandem e permitem infiltrações que danificam a iluminação e as lentes, o que também vem a comprometer a durabilidade e a segurança de aplicação cirúrgica do endoscópio. 

 

 

Marca: Fujinon
Categoria: Fujinon, EG-270N5
Tags: aparelho endoscopia venda, endoscópio preço, endoscópios usados, Fujinon endoscopia, vídeo endoscópio Fujinon

voltar para Gastroscópios

left fwB show|left tsN fwR hide|fwR right hide|bnull|bnull|image-wrap|login fsN fwR normalcase bsd b01 c05|fsN fwR normalcase bsd b01|normalcase bsd b01 fsN fwR c05|login fsN fwR normalcase bsd b01 c05|tsN fwR b01 uppercase bsd|b01 c05 bsd|content-inner||